Quarta-feira, 22 de Agosto de 2012
Paredes de Coura '12

 

De regresso de Paredes de Coura e já cheia de saudades. Por onde começar?

Cheguei a esta pequena vila poucos dias antes do início do festival. Conheci o sítio fantástico em que fiquei acampada este ano e comecei a conhecer o grupo com quem passei esta última semana. Já conhecia algumas pessoas do ano passado mas a maioria eram totalmente desconhecidos. Confesso que no começo pensei que seria um pouco estranho, já que nenhum deles eram pessoas com quem convivia no meu dia-a-dia e se nessas primeiras horas isso aconteceu, não demorei muito a sentir-me confortável junto a eles. Posto isto, os primeiros dias antes do começo do festival foram acompanhados por loucas idas nocturnas à vila, dormidas nas mantas do acampamento a olhar para o céu, pelo nosso lema de Paredes de Coura, pelos pinos, por socializar muito com praticamente toda a gente.

O nosso lema já se tornava conhecido por todo o festival e até já apareciamos na televisão quando o festival começou, trazendo consigo chuva. Neste primeiro dia só cairam umas gotas na parte da noite, pelo que não atrapalhou nem um pouco os concertos. No entanto, ainda me estava a habituar ao ritmo por isso o cansaço não me deixou ver tudo: não tinha qualquer intenção de ver Salto mas como nos despachamos mais cedo do que o esperado lá os vi e até que gostei; de League já tinha ouvido falar muito bem e de facto fazem juz aos comentários; chegou então o meu "amigo" B Fachada e foi aqui que a coisa descambou... Vi mais de metade do concerto mas chegou uma altura em que o cansaço era maior por isso voltamos para o acampamento. Claro que o concerto do B não desiludiu mas como já o tinha visto nem fiquei muito triste por perder aquele bocadinho.

No segundo dia choveu (e agora permitam-me recorrer à expressão que melhor caracteriza este fenómeno) de caralho! Era água dentro da tenda, colchão, saco-cama, mantas e roupas encharcadas, lama por todo o lado, o caos. Ora tinha vontade de me enfiar na tenda e ficar lá até a chuva parar, ora estava farta de estar dentro de um espaço tão pequeno e queria ir ver os concertos. E foi o que fiz, molhada da cabeça aos pés e toda suja de lama desde manhã cedo. Para minha tristeza Japandroids já iam a meio quando lá cheguei mas gostei do que vi. Depois deles, aqueles que mais me surpreenderam na edição deste ano do festival, Tune-Yards. Apesar de gostar, não eram os que mais queria ver, mas que belo concerto! Nem dei pela chuva e muito menos pelo tempo passar. Infelizmente também não vi Stephen Malkmus de quem tinha ouvido falar tão bem. Ouvi Friends com pouca atenção mas gostei. Já estava totalmente congelada e a bater dentes quando chegaram os PAUS, uma das minhas bandas favoritas a nível nacional. Claro que foram bons, foram óptimos! Pena ter perdido as músicas finais devido ao estado em que me encontrava.

No dia seguinte o festival inteiro soltou um grande obrigado ao S. Pedro por não nos brindar com mais um dia de chuva. A lama começava a secar e tudo voltava à normalidade. Depois de mais um dos típicos dias na vila e de ter conseguido falar com os dEUS, tirar uma foto com eles e ainda me terem autografado, chegou mais uma noite de música que começou com Temper Trap. Foi assim-assim, não foram maus de todo. Ainda deu para recordar algumas das minhas músicas favoritas deles, inclusive a que originou o url deste blog. Por curiosidade ouvi uma música de Patrick Watson, portanto não consigo tecer qualquer comentário sobre este concerto. Sleigh Bells, a surpresa da noite. Tinha uma ideia errada deles, arrasaram em cima do palco. Agora que cheguei a casa e já pude ouvir melhor as músicas deles tenho a dizer que são ainda melhores ao vivo! Adorei. Os dEUS são uns deuses. Não sou grande fã e o concerto foi calminho mas mostraram que sabem o que fazem. Depois disto Digitalism chegaram para aquecer o público com muita dança. Já quentinhos seguimos para Totally Enormous Extinct Dinosaurs que estavam à pinha, pelo que tive que assistir ao concerto a meio do recinto o que, diga-se, não é bem o mesmo que estar lá à frente, ainda para mais num after-hours. Mas foi bom, muito bom e gosto imenso. A noite não parou por aqui. Às 3h30 chegou Kavinsky, que não conhecia, e o homem é um espectáculo. Dancei, dancei e dancei até não aguentar mais das costas. Vi o dia a nascer e achei que era altura de entrar na tenda para dormir um par de horas.

E foi mesmo um par de horas. O dia 16 trouxe consigo o sol. Mais um dia, mais uma perda. Desta vez foi Gang Gang Dance. Paciência, não se pode ter tudo. Vi um pouco de I Like Trains e nem sei bem o que dizer... Foi ok, acho eu. Mesmo depois do concerto continuo a dizer que Of Montreal não é a minha praia e Deer Tick foi mais um ok. The Whitest Boy Alive, lindos! Quase tão bom como Kings of Convenience no ano passado, quase. O concerto acabava e eu ia-me chegando para as filas da frente, quando surge Anna Calvi. Que tédio de concerto, o pior que vi este ano. Quando dei por mim estava sentada no chão com a cabeça apoiada na mão e de olhos fechados a torcer para que o tempo passasse rápido. Não foi assim tão rápido mas finalmente chegaram os Kasabian. Consegui sobreviver ao mosh. O mesmo não pode dizer um rapaz que tentava fazer crowdsurfing e acabou por cair ao chão e ser pisado por outro. A vida é assim mesmo, uns caem e outros pisam. Eu, pelos vistos ponho os outros a comerem os meus cabelos durante o mosh. O concerto em si foi um dos melhores. Não esperava menos deles. No final fomos ao acampamento e supostamente voltaríamos ao recinto para ver Crystal Fighters mas a preguiça foi maior. Se o arrependimento matasse... 

O festival terminou em grande. O último dia foi passado no rio a andar de barco e apanhar sol. Que maravilha! Como jantamos no recinto, fomos cedo para lá. Não suficientemente cedo para ver Youthless mas deu para ver Best Youth que nem estava nos nossos planos. Mais uma vez, foi ok. Conseguimos ver Memoryhouse da segunda fila. Foi tão bonito! Guardo boas memórias deste concerto... e do guitarrista. A vocalista tem qualquer coisa de Victoria Legrand e nota-se que mesmo a banda tem toques de Beach House. Foi bastante agradável, portanto. Mesmo depois do concerto terminar não nos mexemos nem um centímetro para ver God Is An Astronaut da segunda fila e conseguimos mesmo. Que concerto, saí de lá rejuvenescida. No final a banda ainda tirou uma foto ao público e claro que eu apareço na foto. Depois desta banda era Dead Combo no palco principal mas tivemos que ir ao acampamento, portanto só vi parte da sua actuação. Não escolhemos o melhor spot para ver Ornatos Violeta mas via-se bem. Não percebi o motivo que os levou a cantar as músicas mais conhecidas, e que correspondem às minhas favoritas, logo ao abrir o espectáculo. De qualquer forma, estou feliz por ter visto o concerto deles, estiveram em grande. Como a banda que mais queria ver ia actuar de seguida e eu queria um bom lugar, abandonei o concerto dos Ornatos no encore. Consegui um óptimo lugar no palco secundário e os Chromatics não desiludiram mesmo. Para mim, foi dos melhores (senão o melhor) concertos. Deviam ser mais valorizados, sem dúvida. De volta ao acampamento, ficamos todos até quase de manhã a aparvalhar. Quando o dia de vir embora chegou nem queriamos acreditar. Passou a voar!

Concluindo, desta edição destaco os concertos de Chromatics, God Is An Astronaut, Tune-Yards e Kasabian, sem esquecer Memoryhouse, Totally Ernormous Extinct Dinosaurs e Ornatos Violeta, entre outros.

Chuva, lama, constipação, cansaço, frio, nada disto é importante em comparação com os belos momentos lá passados e tenho a certeza que faria tudo de novo já hoje sem qualquer hesitação. 



Barbie às 19:16
Link | | Favoritos

2 :
De ~ XaNiNHaHh a 23 de Agosto de 2012 às 03:56
Awwww, quem me dera ter ido! Que inveja!!
Conheço bastante pessoal que foi e todos falam maravilhas de Paredes... Mas pronto, como se costuma dizer "no money, no funny"... fica para o ano.
Ainda bem que te divertis-te :)

Beijinhos*


De XaNiNHaHh a 24 de Agosto de 2012 às 21:26
Tens mesmo... Se todos forem como este que eu tive a sorte de estar...ui ui :p

Pois, acredito...dizem que é mesmo um ambiente incrível. Provavelmente conheço...conheço bastante pessoal de LEI :p

Beijinhos*